Divagando sobre qualquer coisa...


08/03/2012


Profissão Mulher

Mulher... Não somente um gênero, um sexo, uma forma diferente oposta ao homem. Mulher é mais que diferente. Mulher consegue sorrir quando tudo está perdido e isso não é normal...


E quem disse que mulher é normal?


Como pode um único ser carregar todo o mundo em suas costas? Sim, pois não há um homem sequer sem uma mulher como referência.


Já fomos maltratadas e ainda somos. Já fomos discriminadas. E ainda somos. Mas ainda bem, os tempos estão mudando embora ainda haja muito para melhorar. Se no início nos era determinado apenas  cuidar do lar, família, filhos e marido, hoje somos isso e mais um pouco. Aliás, mais um bom bocado!


E não pense que somos as sobrecarregadas. Não... Podemos mais que isso. Hoje conquistamos espaços onde sequer nos aproximávamos e sem guerra, sem brigas, apenas com a competência, doçura e garra feminina.


Hoje nos superamos e podemos tanto ou mais que os homens... Superamos também os homens. Superamos também a ideia de tempo realizando diversas tarefas e ainda encontrando espaço na agenda para outros afazeres. Superamos a ideia de beleza, todas nós temos uma beleza única, uma força sem igual, um dom de sobrevivência impressionante. Geramos, parimos, amamentamos, alimentamos, educamos, trabalhamos, vivemos!


Não, mulher não é um ser normal... Embora normalmente nasça com todas essas qualidades...


Parabéns mulheres. Por hoje e por outros dias. Porque somos mulheres todos os dias...


Até!!!

Escrito por Rê às 10h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Mulheres...

8 de Março - Dia Internacional da Mulher. Não poderia deixar de postar minha homenagem às mulheres do mundo e as mulheres do meu mundo, as quais sem elas eu nada seria.


Primeiro minha mãe, claro. Que doou seu amor de mãe e a vida para que eu chegasse onde estou. Outras mulheres fizeram parte desta mesma vida. Umas chegaram e saíram. Outras se afastaram. Outras simplesmente tiveram um período breve ao meu lado, mas o suficiente para que eu me lembre de todas. Mas há mulheres que ficam. Mesmo que a distância nos separe.


Além da minha mãe, minha irmã é um exemplo. Uma sagitariana abusada e bem folgada que no alto dos seus 1,65m consegue coisas e tem uma força que poucas vezes vi na minha vida. Apesar de mais nova, me orgulho em dizer que aprendo com ela.


Culpa da minha mãe - ela de novo. A principal mulher da minha vida.


Mas também não posso deixar de fora um serzinho que ainda é pequeno mas tem uma importância tão grande em tudo o que faço e penso que às vezes me assusto. Minha filha. Minha pequena mulherzinha com seus nove anos e uma personalidade de tirar o fôlego. Aquela que me lembra como devo prosseguir para educá-la, ajudar a construir seu caráter e guiá-la na vida. Um referencial que só me proponho a ser graças a minha mãe.


Olha ela aí de novo! A mulher-mor da minha vida!!!


A verdade é que mulher é um ser diferente e quero aqui parabenizar a todas. Porque o mundo sem essas super mães, super heroínas, super trabalhadoras, super mulheres, não teria a menor graça. Se é que existiria...


Eu volto!


Até!

Escrito por Rê às 04h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/03/2012


Um tapinha não dói...

Educar filhos não é fácil. Entender muito menos. E manter a calma em alguns casos, impossível.


Eles nos impõem uma espécie de duelo por quem é que manda na casa. Sim, as crianças são assim... Mesmo porque no início da vida, quando são totalmente indefesos, se tornam os pequenos monarcas, já que a atenção dos pais se voltam exclusivamente aos pequenos.


Mas eles crescem. Aí vem o impasse: brigo, educo, converso, castigo, relaxo na bronca, palmadas...


Ôpa, ôpa, ôpa!!! Correndo o risco de ser presa se eu admitir que já dei palmadas nos meus filhos? Uma lei agora me proibe de educá-los através da palmada! Como assim? Desde quando palmada bem aplicada no momento certo pode ser traumática para alguém?


O que tá olhando? Sim, defendo a palmada. No singular, em momentos certos, como uma última opção.


O pior de tudo que minha filha, com nove anos e um gênio de tirar qualquer mãe do sério, descobriu a maldita lei. Basta uma bronca mais enfática que solta a frasezinha "olha que você vai praticar um crime". E dá vontade mesmo... mas de praticar contra quem criou essa merda de lei, começando por torcer o pescoço e bater com gato morto até o gato miar!


Mas a verdade é que sou obrigada a cumprir uma lei que não foi feita pra mim. Ela foi criada - quanto a isso até posso entender, mas com ressalvas - para aquelas pessoas que acham que filhos e tutelados são sacos de pancadas. Ou ainda não sabem aplicar o corretivo na medida certa. Ou pior ainda, descontrolados, perdem a noção do que estão fazendo com um ser indefeso.


Fui procurar estatísticas sobre violência infantil e vi controvérsias, números defasados e especialistas comentando justamente a falta da denúncia. Mas uma coisa todos os sites e matérias que li são unânimes: os números embora não mostrem a realidade, são assustadores e crescem absurdamente. Ontem mesmo, segunda-feira, um menino homônimo do meu filho mais velho, morreu por traumatismo craniano e várias fraturas pelo corpo. A criancinha, de um ano e sete meses, fora espancada por quem deveria cuidar, zelar, proteger.


O mais assustador é saber ou imaginar que a criança que sofre a violência doméstica um dia pode vir a fazer o mesmo comos filhos. E esses, com seus filhos... E daí por diante, pois violência gera violência.


Portanto não posso aplicar a "palmadinha educativa" na minha filha por conta de uma lei que não resolve o problema. É preciso que haja denúncia e meios para descobrir a violência doméstica, para depois uma punição à altura da covardia. Porque um tapinha não dói. Mas dois, sim... E podem matar.


Até...

Escrito por Rê às 09h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

03/03/2012


Poupança orgástica

 

Madrugada de sábado. Acabo de chegar do trabalho, tomo um banho e enquanto espero o sono chegar - e nunca chega antes das 4h - abro a internet.


Fuçando aqui e acolá me deparo com uma notícia "daquelas". O título "Pais encontram filha de 15 anos em orgia com 17 homens" primeiro me deixou atônita. Li a matéria.


A moçoila metida a espertinha - e bota metida nisso - contou aos pais que fez uma espécie de leilão na internet. O melhor lance foi de 3.500 reais. "Só" nesta aventura que durou das 21h de uma terça-feira até 9h da quarta, a adolescente arrecadou o montante de 63 mil reais!


E não é só isso! A poupança, aberta pelos pais quando ela tinha 12 anos e com a única contribuição de 50 reais já aglomerava o valor de R$234.128,50. Moça competente e dada ao empreendedorismo, não?


Bem, deitei na minha caminha lembrando do ralo fundo na minha conta de poupança, fiz as contas de quanto demoraria para juntar os 63 mil (nem fiz a conta dos 234 mil, teria que pegar uma calculadora ou então me matava) e a indignação tomou conta. Não que estivesse com uma espécie de inveja da criança que multiplicou absurdamente as economias em três anos, mas a forma como isso foi feito. Que valores são esses da sociedade? Dezessete homens pagando 3.500 reais por uma orgia com a ninfeta de 15 anos? E ficamos por isso mesmo?


Pra quem quiser ler a matéria, segue o link: http://ligacaoteen.virgula.uol.com.br/lifestyle/comportamento/pais-encontram-filha-de-15-anos-em-orgia-com-17-homens/34492/


Eu volto no assunto...


Até!

 

Escrito por Rê às 02h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

02/03/2012


Em busca da sexta-feira perdida...

Hoje é sexta-feira... Véspera do tão esperado final de semana. Tem cheiro diferente, as pessoas estão mais alegres com aquela sensaçãozinha leve de "ano novo". Porque um bom descanso, papo, balada, festa ou seja lá o que se propõe para o findi é renovador!

Pra mim hoje é quarta-feira. Sim, tenho plantão... aquele que transforma uma semana humana de sete dias num castigo de 14 arrastados dias. Parece que não acabam nunca! E broxam... Ô, se broxam...

Bem, coisas, situações e pessoas broxantes não faltam. Impressionante. Aquela frase "tem sempre um fdp" nunca foi tão bem empregada e tão realista como agora.

As pessoas pararam de viver a própria vida para cuidar da alheia. Isso não é de hoje... Mas a frustração é tanta que cada vez mais estão tentando jogar água na felicidade do coitado alvo dos ataques invejosos. Felicidade hoje é coisa rara. Mesmo por que, até se conquistar a sua, alguém há de vir tentar roubar.

Um segredo é não cantar! Não deixar que saibam da sua condição de sorrir pra vida e parecer mais neutro possível. Mesmo assim há quem sinta o cheiro da felicidade e aí é batata! Olho gordo e agouro na certa!

Dizem que andar com raminho de arruda ajuda, mas puxa... a bendita da plantinha fede um bocado, né?


A minha sexta-feira tá broxada. Foi o plantão quem broxou. O dia tá lindo, quente, promete praia, sol e água de coco. Estarei na redação gelada usando calças jeans, sem a luz do sol e no ar condicionado no talo! A minha sexta-feira eu deixo para comemorar depois, ok?

Aproveitem por mim!

Até...

Escrito por Rê às 10h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

01/03/2012


Escrito por Rê às 23h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

E cito Bob Marley...

Como amar uma mulher, segundo Bob Marley:



“Você pode não ser o primeiro homem dela, o último homem del
a ou o único homem dela. Ela amou antes, pode ser que ela ame de novo. Mas se ela te ama agora, o que mais importa?

Ela não é perfeita - você também não é, e vocês dois podem nunca ser perfeitos juntos, mas se ela te faz rir, te faz pensar duas vezes, e admite ser humana e cometer erros, segure-se a ela e dê a ela o máximo que você puder.

Ela pode não estar pensando em você a cada segundo do dia, mas ela te dará uma parte dela que ela sabe que você pode quebrar - o coração dela.

Então não machuque ela, não mude ela, não analise e não espere mais do que ela pode dar. Sorria quando ela te fizer feliz, diga a ela quando ela te deixar com raiva, e sinta a falta dela quando ela não estiver por perto.”

 

Não é pra refletir?

 

Até...

Escrito por Rê às 14h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Tipo assim...

Acho que vai chover... voltei. Definitivo. Agora não "espero" o retorno. Tô aqui!!! Blog abandonado, blog recuperado. E agora daqui não saio. Daqui ninguém me tira. Isso dá uma música... hehehe.


E sem essa de "finalmente o ano começou". Sem essa antes de tudo porque odeio chavões. Ai, como doem os ouvidos!


Bem, já que entrei no assunto, vira o primeiro assunto do retorno... Os chavões são as maiores expressões da falta de criatividade do ser humano. Toda vez que o carnaval acaba o ano começa... Puxa, tô trabalhando sem parar então começou agora pra quem, cara pálida? E me diga por que o ano tem sempre que terminar "com chave de ouro"? Quando acontece uma merda, a chave é de quê? Merda?


Chavão pra mim é falta do que falar, preguiça de pensar, copião do cotidiano. Em média ouço uns 35 chavões diferentes por dia. Acho que tá na hora de começar a mudar os lugares para onde vou...

... Se bem que não adiantaria. Chavão é que nem bunda ou praga. Todo mundo tem ou tá em tudo quanto é lugar.


Mas para não deixar esse post inicial muito reclamão, vale ressaltar que o chavão tem seu lado positivo, uma vez que piadinhas infames viraram chavões de tanto que são usadas. Sim, e por incrível que pareça. O chavão ou a piadinha infame podem ser também usados como detectores de chatos, xaropes, incovenientes, pentelhos... chame como quiser...


Explico. Imagine a cena: você recebendo amigos e de sobremesa, chega com um pavê e coloca na mesa. O chato certamente dirá "é pavê ou pácumê?". Pra enfiar no... seu mala!


Não precisa dizer mais nada... Tem também aquele tosco que te deseja feliz ano novo no dia 31. Se o encontra no dia seguinte te abraça com a maledeta frase "que saudades, não nos vemos desde ano passado". Oi?


E por falar em carnaval, aquele que gosta de assistir aos desfiles de escola de samba e torce pela Mangueira é vítima do chato: "Gosta de ver a mangueira entrar, né?"

E quem "entra no peru" no Natal? Aff...


Agora vamos combinar: tem coisa pior que o chavão! Tem sim... Que tal o tal do "tipo assim"? Até agora não entendo pra que serve o "tipo assim". Nem pra quê ou onde tem que ser empregado... Sei que na maioria das vezes inicia uma frase: "Quantos anos você tem? Tipo assim, 17 anos"... E tipo assado, de outro jeito, você teria quantos anos?


Ai minha paciência...


Vou ficando por aqui... Tipo assim, tenho que trabalhar, sabe.


Até... 

 

Escrito por Rê às 02h53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

29/02/2012


EU VOLTAREI!!!

Escrito por Rê às 00h07
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Mulher, de 36 a 45 anos

Histórico